quinta-feira, 23 de março de 2017

Motociclista morre em acidente na BR-316


Um motociclista que ainda não teve a identidade revelada morreu, na tarde desta quinta-feira (23), após se envolver em um acidente na rodovia BR-316, na entrada de Benfica, em Benevides, Região Metropolitana de Belém.
Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motociclista morreu no local após uma colisão transversal com um veículo de passeio.
Agentes da PRF estão no local orientando o trânsito, que está lento.

Sem professores, alunos das escolas de Ananindeua são prejudicados

Alunos de escolas municipais de Ananindeua, na região metropolitana de Belém, enfrentam os transtornos causados pela falta de professores na rede de ensino. Foi registrado rodízio de dias para cada turma e até a junção de turmas diferentes na mesma sala. O caso foi denunciado ao Ministério Público do Estado.

Homens invadem agência e detonam explosivo, em Ananindeua

Três homens entraram na agência do Banco do Brasil localizada na BR-316, em Ananindeua, e detonaram um cartucho de explosivo em um caixa eletrônico. A ação ocorreu na madrugada desta quarta-feira (22).
 A explosão não foi suficiente para abrir o caixa e eles fugram do local sem levar nada. O Esquadrão Antibombas da Companhia de Operações Especiais da Polícia Militar foi acionado para recolher o artefato que, posteriormente, foi detonado no Complexo Operacional da PM, na avenida Brigaderio Protázio, em Belém.

Parlamento Estadual reúne com taxistas para debater regulamentação do táxi lotação no Pará

O líder do Governo na Alepa, deputado Eliel Faustino reuniu com uma comissão de taxistas que trabalha com transporte intermunicipal de pequeno porte, conhecido como “táxi lotação”. Foi nesta quarta-feira (22/03), no Parlamento Estadual, para discutir ajustes ao Projeto de Lei que pretende regulamentar o serviço. A reunião foi realizada na Sala VIP da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa). Faustino ressalta que o projeto está em tramitação final na Casa para ser votado e, posteriormente, enviado ao Poder Executivo. “Vamos colocar para apreciação e votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na semana que vem, para ser encaminhado, em seguida, para votação em plenário. O objetivo é que a gente possa incluí-lo na pauta de serviços de transportes ofertados no Estado”, destaca o parlamentar.
 O advogado do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Intermunicipais de Pequeno Porte, Fábio Diniz Lima de Menezes, participou da reunião. Segundo ele, “o projeto precisa se adequar à Constituição Federal e à Lei Complementar 8987/95 para que ele possa ser aprovado, obedecendo a hierarquia das leis, porque esse é um transporte executivo não convencional que já existe há cerca de 30 anos e é bastante utilizado pela população do interior do estado e que precisa ser regulamentado”, explica Fábio.
O advogado ressalta que o sindicato possui 726 taxistas nessa modalidade sindicalizados no Pará. Porém, a estimativa é de que mais de duas mil pessoas atuem na oferta do serviço em todo o Estado. “Todos os esforços estão sendo realizados pelo sindicato e o Poder Legislativo para sanar o problema da inconstitucionalidade da lei. Mas o serviço é ofertado há cerca de 30 anos no Pará e, por isso, estamos lutando pela regulamentação para organizá-lo e para que a população possa ser beneficiada pelo que diz no artigo 6º da Lei 8987, que é a oferta de um transporte adequado, com qualidade de serviço e com a comodidade que o cidadão merece”, ressalta o advogado.
O líder do governo na Alepa, deputado estadual Eliel Faustino destacou que as discussões sobre a regulamentação do serviço de táxi lotação iniciaram em uma assembleia itinerante realizada em Bragança, em 2014, quando os trabalhadores dessa modalidade procuraram o Parlamento para discutir a regulamentação do serviço. De lá para cá, várias reuniões já foram realizadas e, atualmente, os ajustes encontram-se em fase final para a tramitação da votação. “Esse tipo de transporte é muito usado pela população do interior do Estado, em especial na região nordeste do Pará, onde já há uma prática tradicional desse serviço. Por isso, estamos concentrando esforços para fazer os ajustes necessários, já que estudos feitos pela Alepa, a PGE e a Arcon apontaram algumas incoerências que conflitavam com outros serviços que já são praticados também no Estado pelo serviço regular de transporte coletivo”, enfatiza o parlamentar. “O nosso interesse é aprovar porque é um serviço importante para as pessoas, uma vez que o serviço regular não atende a toda a população e é preciso ter essa alternativa complementar para que as pessoas possam ter também essa opção de transporte”, conclui Eliel Faustino.
Texto: Avelina Castro
ASSESSORIA DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Desfile na Marquês de Sapucaí pode acontecer sob chuva

RIO - Os cariocas estão há dez dias sem nenhum sinal de chuva na cidade — os gramados amarelados já são comuns na paisagem. A estiagem pode ser explicada pela intensificação de um sistema de alta pressão no Sudeste, que impede a formação de nuvens carregadas e a chegada de frentes frias ao estado. Mas o fenômeno está perto do fim. A partir desta quarta-feira, esse sistema deve perder força, provocando chuvas rápidas e isoladas. No carnaval, deverá prevalecer uma combinação de sol, calor e pancadas de chuva, segundo o Climatempo.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/desfile-na-marques-de-sapucai-pode-acontecer-sob-chuva-20956283#ixzz4ZJXhHOoL 

Vergonha


A cidade de Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, gastou mais de R$ 19,5 milhões entre 2007 e 2015 cuidando da saúde moradores que sofreram com doenças relacionadas a falta de saneamento. De acordo com a Cosanpa, responsável pelo saneamento em Ananindeua, a empresa não tem condições de realizar novos investimentos
saiba mais

    Conheça os melhores e os piores municípios em saneamento básico

A informação sobre a situação de Ananindeua é do Instituto Trata Brasil, que elaborou pela primeira vez um diagnóstico relacionando a incidência de doenças de veiculação hídrica como dengue, diarréia e leptospirose com a falta de saneamento.

Segundo o Trata Brasil, Ananindeua tem o pior saneamento dentre as 100 maiores cidades do país: apenas 28% dos seus mais de 500 mil habitantes tem água encanada em casa, e somente 2,9% contam com coleta de esgoto domiciliar. A capital, Belém, ficou na 90ª posição no ranking do instituto (veja vídeo acima).

Custo das internações
Os dados do instituo apontam que, entre 2007 e 2015, foram internadas 3.713 pessoas com sintomas de dengue, que teve 1.979 casos notificados. Quatro pessoas tiveram mortes relacionadas a esta doença no período avaliado pela pesquisa, e os gastos públicos com a doença e os pacientes.

No mesmo período, foram notificados 59 casos de leptospirose na cidade. As internações por conta desta doença custaram R$ 44.446,29 aos cofres públicos.

A diarréia é a doença responsável pela maioria das internações, e por uma parte gigantesca dos gastos com doenças que poderiam ser evitadas com um saneamento de qualidade. Segundo o instituto, de cada grupo de 100 mil habitantes de Ananindeua cerca de 830 são internados por causa de diarréia a cada ano - só em 2010, ano em que houve um pico nos casos, foram mais de oito mil habitantes internados com sintomas da doença.

Tratar estas pessoas representou um gasto de 17.827.388,59 para o município entre 2007 e 2015, já que o paciente passa, em média, 12 dias internado. O custo individual de cada doente é de R$ 351,47 por internação.
Saneamento Básico, Ananindeua, Pará (Foto: Reprodução/TV Liberal)Saneamento básico chega a poucas casas de Ananindeua (Foto: Reprodução/TV Liberal)

Saneamento e saúde
A relação entre saneamento e saúde é óbvia para todos os pesquisadores da área. Desde 1986, quando houve a primeira epidemia de dengue no Brasil, o diretor do Instituto Evandro Chagas recomenda a universalização dos serviços de água e esgoto para erradicar o mosquito Aedes aegypt, que hoje pode infectar pessoas com doenças ainda mais perigosas, como a zika e a chikungunya.


"Acharam que era um absurdo gastar tudo isso nesse período", disse Pedro Fernando da Costa Vasconcelos, diretor do Evandro Chagas. "Certamente que a gente não estaria nessa situação (com dengue, vírus zika e chikungunya), e não precisa ser cientista para afirmar isso", conclui.A cidade de Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, gastou mais de R$ 19,5 milhões entre 2007 e 2015 cuidando da saúde moradores que sofreram com doenças relacionadas a falta de saneamento. De acordo com a Cosanpa, responsável pelo saneamento em Ananindeua, a empresa não tem condições de realizar novos investimentos
saiba mais

    Conheça os melhores e os piores municípios em saneamento básico

A informação sobre a situação de Ananindeua é do Instituto Trata Brasil, que elaborou pela primeira vez um diagnóstico relacionando a incidência de doenças de veiculação hídrica como dengue, diarréia e leptospirose com a falta de saneamento.

Segundo o Trata Brasil, Ananindeua tem o pior saneamento dentre as 100 maiores cidades do país: apenas 28% dos seus mais de 500 mil habitantes tem água encanada em casa, e somente 2,9% contam com coleta de esgoto domiciliar. A capital, Belém, ficou na 90ª posição no ranking do instituto (veja vídeo acima).

Custo das internações
Os dados do instituo apontam que, entre 2007 e 2015, foram internadas 3.713 pessoas com sintomas de dengue, que teve 1.979 casos notificados. Quatro pessoas tiveram mortes relacionadas a esta doença no período avaliado pela pesquisa, e os gastos públicos com a doença e os pacientes.

No mesmo período, foram notificados 59 casos de leptospirose na cidade. As internações por conta desta doença custaram R$ 44.446,29 aos cofres públicos.

A diarréia é a doença responsável pela maioria das internações, e por uma parte gigantesca dos gastos com doenças que poderiam ser evitadas com um saneamento de qualidade. Segundo o instituto, de cada grupo de 100 mil habitantes de Ananindeua cerca de 830 são internados por causa de diarréia a cada ano - só em 2010, ano em que houve um pico nos casos, foram mais de oito mil habitantes internados com sintomas da doença.

Tratar estas pessoas representou um gasto de 17.827.388,59 para o município entre 2007 e 2015, já que o paciente passa, em média, 12 dias internado. O custo individual de cada doente é de R$ 351,47 por internação.
Saneamento Básico, Ananindeua, Pará (Foto: Reprodução/TV Liberal)Saneamento básico chega a poucas casas de Ananindeua (Foto: Reprodução/TV Liberal)

Saneamento e saúde
A relação entre saneamento e saúde é óbvia para todos os pesquisadores da área. Desde 1986, quando houve a primeira epidemia de dengue no Brasil, o diretor do Instituto Evandro Chagas recomenda a universalização dos serviços de água e esgoto para erradicar o mosquito Aedes aegypt, que hoje pode infectar pessoas com doenças ainda mais perigosas, como a zika e a chikungunya.

"Acharam que era um absurdo gastar tudo isso nesse período", disse Pedro Fernando da Costa Vasconcelos, diretor do Evandro Chagas. "Certamente que a gente não estaria nessa situação (com dengue, vírus zika e chikungunya), e não precisa ser cientista para afirmar isso", conclui.

Do G1 PA

Quase 200 mil empresas devem o FGTS de seus funcionários


Cerca de 7 milhões de trabalhadores não tiveram depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), incluindo contas ativas e inativas, feitos corretamente por seus empregadores. São 198,7 mil empresas devedoras de depósitos de FGTS, segundo informações da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Pará é o segundo no país com a gasolina mais cara

Já é a terceira vez que a Petrobras reduziu na Refinaria os preços dos Combustíveis. Desde 2016, a Estatal anunciou uma  nova política de preços em todo o Brasil. Esta nova redução se deu da seguinte forma: a Gasolina com queda de 1,4% e o Diesel com queda de 5,1%. A exemplo das outras duas reduções anunciadas pela Petrobras, esta também (até agora) praticamente não chegou aos consumidores paraenses.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Ministério Público abre cadastro para estagiários

Estão abertas as inscrições para o Cadastro de Reserva do Programa de Estágio, na modalidade não obrigatório em Belém e Regiões Administrativas, do Ministério Público do Pará.
As vagas são para os alunos das instituições de ensino superior que possuem termo de cooperação ou convênio firmado e destinadas a alunos interessados no estágio não obrigatório e matriculados regularmente nos 3 últimos anos ou 6 últimos semestres dos cursos constantes. Veja a lista aqui.
As inscrições deverão ser efetuadas no endereço eletrônico www.mppa.mp.br no link “Estágio – Inscrição”.
As inscrições podem ser feitas até o dia 3 de fevereiro e a jornada do estágio será de quatro horas diárias e não excederá a vinte horas semanais.
O valor atual da bolsa de estágio é de R$ 645,50 e do auxílio-transporte é de R$ 105,60.
Segundo o MPE, o cadastro terá validade até a homologação do resultado final da 4ª seleção pública de candidatos ao programa de estágio.
Para mais informações basta entrar em contato pelos telefones 4006-3532 e 4006-3469, no horário de 8 às 14 horas, ou pelo e-mail ddrh@mppa.mp.br.

PM cumpre mandado de reintegração de posse em terreno em Ananindeua


Por determinação da juíza Marinez Catarina, da 3ª vara Cível Empresarial da Comarca de Ananindeua, policiais militares cumpriram na manhã desta terça-feira (24) a reintegração de posse da Comunidade Ariri, localizada na passagem Ariri, bairro 40 horas, em Ananindeua. O terreno, que tem 24.373 metros quadrados, estava ocupado há dois anos. Nesta quarta feira, 25, o trabalho de reitengração continua no terreno e segue de forma ordeira e sem resistência por parte dos moradores. A previsão é de que a ação finalize ainda hoje.
Cerca de 350 pessoas moravam no local. “O processo iniciou em 2013. O terreno foi invadido anteriomente e já foi feita uma descupação. Os invasores retornaram em 2014 e em agosto de 2016 saiu um novo mandado judicial de reintegração de posse do imóvel”, informou o oficial de justiça Vitor Borges.
O aparato policial contou com a tropa do Comando de Missões Especiais, através do Regimento de Políca Montada, Batalhão de Polícia Tática, Batalhão de Choque e Companhia Independente de Operações Especiais. Cerca de 90 agentes de segurança fizeram parte da ação, que também contou com a participação do Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.
“O planejamento iniciou há 15 dias. Na quinta-feira passada fizemos o reconhecimento da área e houve o primeiro contato com os moradores, informando que havia uma decisão em agosto do ano passado, deferindo pela reintegração da área. O oficial de Justiça esteve conosco, onde afirmou a determinação judicial. Neste encontro, solicitamos o apoio aos moradores para que retirassem os seus pertences de forma voluntária, para que a operação pudesse transcorrer da forma mais tranquila possível”, informou o tenente-coronel Mauro Matos, comandante da operação.
De janeiro de 2016 a janeiro deste ano, o Comando de Missões Especiais realizou 29 reintegraões de posse em todo o Estado. Entre eles, 12 em Belém e Região Metropolitana. 
Por Cristiani Sousa